Artigos

Artigos (3)

Segunda, 06 Abril 2020 12:01

Tire o pé da parede !!!

Escrito por

Crônicas da Cidade Fantasma - Gotham City

Com certeza as novas gerações não imaginam a razão de São Caetano ter apelido de Gotham City. E se você também não compreende, tentarei explicar.

Coincidência ou não, a atmosfera nublada e tóxica emitida pelas refinarias e indústrias automobilísticas ao longo de décadas gerou em algumas cidades do mundo, o surgimento de comportamentos e conceitos radicais, e medidas as proporções, o ABC e São Caetano sempre se assemelharam a esses polos industriais.

Via de acesso com o mundo exterior, a estação de trem de São Caetano trazia modernidade e recursos a cidade, e próxima a estação haviam as empresas IRFM - Indústrias Reunidas Fábrica Matarazzo, fundada em 1891 e fechada em 1987 – e quem viu de perto a ascensão, a queda e o abandono do maior complexo industrial do Brasil, talvez compreenda a razão de São Caetano ser associada à poluída Gotham City.

Procedente do cenário de trevas das fábricas do antigo subúrbio operário, essa moeda cultural favoreceu o nascimento de uma lenda urbana, onde São Caetano começou a ser comparada à sombria cidade de Batman.

Além das ruínas decadentes, dos resíduos químicos e das chaminés abandonadas, essa semelhança acabou se tornando possível devido ao cenário de abandono de outras indústrias, que geraram uma paisagem de trevas e pânico social a cidade.

Outro fator que contribui com esta mística, foi que o ano de 1989 marcou os 50 anos da criação do personagem de histórias em quadrinhos Batman, e também o lançamento do filme Batman, de Tim Burton, e através de um grupo de amigos, começa a se difundir uma teoria conspiratória que comparava São Caetano com a metrópole do herói mascarado.

Completando este cenário batmaníaco, neste mesmo ano acontece na Danceteria Zoster a Festa dos Super Heróis, que reuniu dezenas de amigos, antecipando o estilo Cosplay.

Além dessa semelhança, o que levou São Caetano a ser relacionada à cidade do Batman, era o grande número de grafiteiros que invadiam as madrugadas, expondo sua arte nos enegrecidos muros da cidade, fazendo com que o grafite deixasse de ser uma arte marginal e redimensionasse o caos urbano. 

Em contraste com o surgimento de dezenas de novos edifícios, que criavam sombras nos muros do conservadorismo e estreitavam os abismos urbanos, era comum se deparar com batalhões de super heróis nos muros do centro da cidade, até na entrada principal do município, existia um gigantesco mural anunciando:

"Bem Vindo a Gotham City".

Domingo, 05 Abril 2020 19:46

Ruidos

Escrito por

Prefácio – Introdução

Olhando para trás, creio que meu primeiro registro sonoro, foi ouvir a estática da sintonia do barulho de um rádio. Penso que não demorei em me situar com ruídos exteriores, e me identificar como habitante do planeta.

Ainda menino, percebi a natureza do meio ambiente que me cercava, e creio que uma das primeiras experiências sonoras com o mundo exterior foi através dos apitos dos trens que cruzavam a região. Demarcando o horário de chegada e partida de apressadas pessoas, que se amontoavam na enferrujada estação ferroviária, de São Caetano em busca de prosperidade na região.

A combinação química da poluição das refinarias, com estranhos ruídos industriais e tumultuadas vozes humanas, me certificavam que eu crescia numa cidade em expansão.

Difícil fechar os olhos e não ouvir o barulho da cancela da estação de trem.

Também chamada de porteira, que impediam a travessia de pedestres e indicavam a aproximação das barulhentas locomotivas, numa incessante estática de aço com aço que beirava uma melodia metálica.

Eu igual a toda meninada, tanta fantasia eu fazia, e andar descalço e vestir calças curtas restringia a aproximação com pessoas mais velhas, um código de preconceito e proteção em relação ao universo adulto.

E nas ruas de terra – as brincadeiras de bola de gude, bate bafo, pula corda, mãe da lata e carrinhos de rolimã, compunham os ruídos das traquinagens, combinados aos ensaios das fanfarras de escolas e zunidos de vendedores de biju, quebra queixo e amoladores de facas – cenário de um labirinto de emoções infantis.

Somada a toda essa aquarela sonora, uma revolução tecnológica quebraria todas as barreiras da imaginação. O surgimento dos aparelhos de televisão multiplicou os limites da imaginação. E poder desfrutar da sensação de ter um cinema dentro de casa iria alterar radicalmente à percepção, não só da criançada, mas de várias gerações.

Nesse terreno ilimitado e abstrato de sons e imagens, a música significou um agente de observação e transformação, diante deste novo horizonte que se agigantava á minha frente, muito além de ruas, praças e avenidas.

 

Terça, 17 Setembro 2019 23:25

Rick And Roll

Escrito por

Da poluída região do ABC Paulista, berço de vários grupos e tendências musicais. Considerada a Detroit brasileira, devido à típica poluição suburbana e por abrigar as principais indústrias automobilísticas do país. Através dessa proximidade com motores, graxa e velocidade, ainda criança, comecei a me interessar pelos ídolos da música e do cinema dos anos 50 e 60, que iriam idealizar o meu estilo de vida e minha devoção ao Rock and Roll.